Viagem ao Centro da Terra, o filme

Autor: 
Sílvio Anaz
cinema digital

Não é a primeira vez que Hollywood imagina como é uma jornada até o centro do nosso planeta. Mas é a primeira vez que fazem isso em três dimensões. O filme “Viagem ao Centro da Terra”, que traz o ator Brendan Fraser como um desacreditado cientista que embarca na aventura imaginada originalmente pelo escritor Júlio Verne, é o primeiro filme de ação totalmente filmado e projetado com a tecnologia 3D digital.

Viagem ao Centro da Terra (Trevor, Sean e Hannah)
Divulgação
Cena do filme "Viagem ao Centro da Terra",
com Brendan Fraser, Josh Hutcherson e Anita Briem

Poster Viagem ao Centro da Terra
Reprodução

Nesta nova versão, o cientista Trevor Anderson vai para a Islândia num passeio “radical” no mesmo local onde anos antes seu irmão teria desaparecido. Acompanhado de seu sobrinho adolescente e de uma atraente guia local, eles acabam acidentalmente presos numa caverna que os leva para seis mil quilômetros abaixo da superfície da Terra. Lá encontrarão seres bizarros e uma boa dose de perigos que movimentam sua aventura.

O livro homônimo em que o filme se baseia foi escrito por Júlio Verne em meados do século 19. Uma obra que continua a incentivar a curiosidade e a imaginação para o que há nas profundezas do nosso planeta.

Veja a seguir um pouco mais sobre essa nova versão cinematográfica desse clássico da literatura de ficção. Descubra também mais a respeito dos seres que realmente habitam as profundezas da Terra.

Trevor e o sobrinho
Divulgação
Fraser faz o papel do cientista Trevor Anderson, desacreditado
entre seus pares por conta de suas teorias consideradas absurdas

O pai da ficção científica

Júlio Verne escreveu vários dos mais populares clássicos da literatura mundial. Entre eles estão “Viagem ao Centro da Terra”, “Vinte Mil Léguas Submarinas”, “A Volta ao Mundo em 80 Dias”, “Cinco Semanas em um Balão” e “Da Terra à Lua”. O escritor francês, que viveu de 1828 a 1905, não só teve uma das imaginações mais brilhantes e uma habilidade literária única, como também mostrou uma capacidade invejável de imaginar o futuro. Seus estudos e conhecimentos das ciências e da tecnologia de sua época o levaram a criar máquinas e cenários em seus livros que se tornariam realidade nas décadas seguintes. Sua infância se passou sob influência das maravilhas que a Revolução Industrial prometia. Seu encanto com as máquinas que surgiam serviu de inspiração para muitas de suas criações que por mais fantásticas que fossem pareciam bem reais aos leitores. Considerado o pai da ficção científica, antecipou em suas histórias, às vezes com precisão inacreditável, fatos extraordinários do homem, como a conquista da Lua que somente aconteceria um século após ter escrito sobre ela.