Como funciona a criptonita

Autor: 
Tracy V. Wilson
­
criptonita

Praticamente todos que cresceram após a década de 40 conhecem a verdade sobre a criptonita - má notícia para o Super-Homem. A maioria também suspeita que ela exista em várias cores, mesmo que só tenham ouvido falar sobre isso em um episódio de "Buffy - A caça vampiros".

Mas, se você perguntar para a pessoa certa, descobrirá que vários tipos de criptonita existiram ao longo dos anos. As diferentes versões da história do Super-Homem mostram algumas variedades de criptonita e seu uso diverso. O foco varia de acordo com a época da publicação.

Então, o que exatamente é a criptonita? De onde vem? O que a torna tão perigosa para o Super-Homem e outros criptonianos? E o que a retcon tem a ver com isso? Neste artigo, você encontrará as respostas para estas e outras perguntas sobre o mineral radioativo conhecido como criptonita.

...e que Super-Homem seria esse?
O Super-Homem tem aproximadamente 70 anos de história e sua saga tem aparecido em revistas em quadrinhos, programas de rádio, filmes, programas de televisão e outros meios. No decorrer dos anos, sua origem e os detalhes sobre sua vida têm mudado consideravelmente. Com exceção de fatos menos conhecidos, trataremos da versão mais usada.

Para entender como funciona a criptonita, é útil saber algumas coisas sobre o Super-Homem. O planeta natal do Super-Homem, Krypton, orbitava uma estrela gigante chamada Rao, a cerca de 50 anos-luz da Terra. Consideravelmente maior que a Terra, Krypton tinha uma força gravitacional muito maior. Nos quadrinhos do final da década de 30 todos os criptonianos tinham super poderes. No entanto, no universo atual do Super-Homem, criptonianos não têm super poderes - o Super-homem é uma exceção em função da menor força gravitacional e do sol amarelo da Terra.


Uma reação nuclear em cadeia, no interior de Krypton, causou uma imensa explosão, destruindo o planeta. Com o decorrer dos anos, explicações em busca de uma razão precisa para esse acontecimento têm diferido. Em algumas revistas em quadrinhos mais antigas, Krypton tinha um núcleo de urânio. Em 2002, na edição nº166 de "Superman", Krypton estava em rota de colisão em direção ao seu sol, que com sua imensa gravidade o partiu em pedaços. A explicação moderna afirma que uma grande guerra aconteceu em Krypton, e um dispositivo cataclísmico, conhecido como Destroyer, iniciou uma cadeia interna de reações que destruíram o planeta.

Momentos antes da explosão, os criptonianos Jor-El e Lara prepararam a matriz de nascimento do seu filho Kal-El para uma viagem ao espaço. Eles mandaram Kal-El para a Terra, onde um casal de fazendeiros de Kansas, Martha e Jonathan Kent, o encontraram e o adotaram. Os Kents chamaram o bebê de Clark e ele cresceu, tornando-se o Super-Homem.

À medida que a matriz de nascimento de Kal-El viajou pelo espaço, atraiu consigo fragmentos do planeta destruído, que se tornaram radioativos ao longo do caminho. Os fragmentos radioativos tornaram-se conhecidos como criptonita verde, ou simplesmente criptonita, e são mortais para os criptonianos. Ela não reage com o oxigênio e, portanto, não entra em combustão ao entrar na atmosfera da Terra. No entanto, a criptonita não é invulnerável - é possível cortá-la, lascá-la, esmagá-la e derretê-la com ácido.

Quando exposto à criptonita verde, os criptonianos instantaneamente tornam-se fracos. Com uma exposição prolongada, eles morrem. A criptonita verde tem esses efeitos em razão da interação entre duas substâncias: sua radiação e as células criptonianas.

Único sobrevivente?
Nos primeiros tempos das revistas em quadrinhos e programas de rádio do Super-homem, ele era o "último filho de Krypton" - o único sobrevivente da explosão do planeta. No entanto, outros sobreviventes têm aparecido, como a super-moça, o super-cão krypto, os residentes da cidade de Kandor e os criptonianos sentenciados à Zona Fantasma, incluindo o General Zod.

Na Terra, várias substâncias de ocorrência natural e manufaturadas emitem radiação. Elas fazem isso por meio de um desses três processos:

  • deterioração alfa: à medida que um átomo deteriora, seu núcleo emite partículas alfa, que são feitas de dois prótons e dois nêutrons;
  • deterioração beta: à medida que um átomo deteriora, um nêutron em seu núcleo torna-se espontaneamente um próton, um elétron e uma partícula subatômica chamada de antineutrino; o átomo expulsa o elétron e o antineutrino, e o elétron se torna uma partícula beta;
  • fissão espontânea: um átomo espontaneamente divide-se em dois átomos de dois diferentes elementos. Ele pode expulsar neutrinos quando isto acontece.

Os átomos que sofrem quaisquer destes processos freqüentemente têm muita energia extra. Eles emitem energia na forma de raios gama, que são pulsos eletromagnéticos feitos de energia, não de matéria. Cada uma dessas formas de deterioração radioativa cria radiação ionizada, que pode expulsar os elétrons dos átomos. Os Raios-x, outra forma de energia eletromagnética, são também outro tipo de radiação de ionização. Veja Como funciona a radiação nuclear para maiores informações.

Relativamente falando, partículas alfa e beta não podem penetrar profundamente na matéria. Raios gama e raios-x, por outro lado, podem penetrar na matéria, inclusive no corpo humano. Sua habilidade de deslocar elétrons dos átomos pode causar mutações nas células, às vezes causando tumores cancerígenos. Felizmente, o chumbo bloqueia tanto os raios gama quanto os raios-x. Ele é capaz de fazer isso em razão da sua alta densidade de elétrons. Os raios são incapazes de penetrar a densa teia de elétrons encontrada em um pedaço de chumbo.

A criptonita existe
Cientistas encontraram em uma mina da Sérvia, no começo de 2007, um mineral com a mesma fórmula química da criptonita. Mas ao contrário da pedra criptoniana, a terráquea é branca, tem textura de um pó e não possui qualquer tipo de radioatividade. Para desgosto dos fãs das aventuras do homem de aço, o novo mineral não foi batizado oficialmente de criptonita, mas sim de jadarita.

Como os elementos radioativos da Terra, a criptonita emite radiação, embora não se saiba exatamente como os átomos da criptonita decaem. No entanto, a radiação da criptonita parece se comportar como a radiação dos raios gama e dos raio-x, podendo penetrar objetos e corpos vivos mas não o chumbo. Isto sugere que a radiação da criptonita é uma forma de energia eletromagnética, como os raios gama ou raios-x, ao invés de partículas de matéria.

Veremos como esta radiação causa seus efeitos mortais na próxima seção.

O que acontece se você explodir um planeta?
Krypton não é o único planeta explosivo no universo. O Império Galáctico, os Vorlons e os Vogons, entre outros, usaram poderosos armamentos para destruir mundos inteiros. A destruição de um planeta tem o potencial de romper a órbita de outros corpos em um sistema solar, criando uma quantidade enorme de fragmentos potencialmente destrutivos no espaço. Descubra mais sobre o que acontece quando você explode um planeta em Como funciona a Estrela da Morte (Star Wars).