Como funciona o Joy Division

Autor: 
Sílvio Anaz

A desolação humana foi o tema preferido do grupo de rock britânico Joy Division. Suas letras sobre infelicidade e desesperança, acompanhadas por músicas com uma atmosfera sombria pontuadas por sons eletrônicos, têm influenciado bandas e estilos da canção pop desde os anos 80.

MOJO Joy Division
Capa da revista Mojo de fevereiro de 2007: Joy Division continua a despertar interesse

O grupo teve uma curta existência, de 1976 a 1980, um fim trágico, com o suicídio do vocalista e compositor Ian Curtis, e um renascimento bem sucedido com o New Order, um dos grupos pioneiros do pop eletrônico e dançante que emergiu a partir da década de 80.

No pop-rock dos anos 2000, quase três décadas após o nascimento e morte do Joy Division, bandas como Interpol, She Wants Revenge, Editors e My Chemical Romance, que fazem sucesso junto a jovens que sequer tinham nascido quando a banda acabou, relembram na sonoridade e nas letras o existencialismo das canções do Joy Division.

Atualmente, quando se revê a obra do grupo, não há como evitar a percepção de que suas composições sobre depressão e angústia se confundem com a vida curta e trágica de seu líder Ian Curtis, cujo suicídio contribuiu para aumentar o culto a uma autenticidade dos sentimentos expressos nas canções da banda.

A breve trajetória de Curtis e do Joy Division ganhou em 2007 as telas do cinema com o filme “Control”, dirigido por Anton Corbijn. A partir do livro “Touching from a Distance”, escrito por Deborah Curtis, ex-esposa do vocalista, o filme mostra a biografia do líder do Joy Division, tendo como pano de fundo uma época que decretava o fim das ambições e esperanças dos anos 60 e 70.

Descubra a seguir porque o Joy Division virou um grupo cultuado no pop-rock contemporâneo e como o sofrimento de seu líder possibilitou que eles criassem “Love Will Tear Us Apart”, considerada, pela crítica, uma das melhores canções pop feitas até hoje.

Joy Division
início: 1976
integrantes: Ian Curtis (voz), Peter Hook (baixo), Bernard Sumner (guitarra) e Stephen Morris (bateria)
gênero: pós-punk, rock gótico
principais influências: rock experimental, proto-punk, rock e punk de Velvet Underground, Iggy Pop, Sex Pistols, David Bowie, The Doors e Lou Reed
álbum essencial: Unknown Pleasures (1979)
fim: 1980