O mundo não é o bastante: quadrinhos, videogames e paródias

Autor: 
Ed Grabianowski

James Bond também já encontrou o sucesso fora de filmes e livros. Uma adaptação de rádio, uma série de quadrinhos de jornal e inúmeras graphic novels já foram estreladas por ele, tanto em histórias originais como em versões de filmes ou livros. Mas a mídia onde ele obteve mais sucesso, depois dos filmes, foram os videogames. "007 contra Goldeneye", de 1997, um jogo lançado para o Nintendo 64, foi um sucesso de vendas (e muitas pessoas continuam a jogá-lo, mesmo com o sistema já estando antiquado).

Jogos de James Bond
Imagem cedida por Amazon
A franquia de James Bond originou três jogos populares de videogame: "007 contra Goldeneye," "Tudo ou nada" e "Moscou contra 007"

Inúmeras variações daquele jogo de tiro em primeira pessoa tentaram repetir o sucesso, mas o grande sucesso seguinte foi "Tudo ou nada", de 2004. A utilização de atores populares (incluindo Pierce Brosnan) para dublar as vozes impulsionou o interesse no jogo, o que fez o conceito ser levado um pouco mais adiante com uma versão para videogames de "Moscou contra 007", que tinha a voz e a aparência de Sean Connery.

Box com DVDs de Austin Powers
Imagem cedida por Amazon
Além do próprio Austin Powers, vários personagens na trilogia de "Austin Powers", incluindo o Dr. Evil e Goldmember, também são paródias de personagens dos filmes de "James Bond"

A popularidade de Bond inevitavelmente levaria a imitações e paródias. Séries de comédia, como o desenho do "Inspetor Bugiganga", bebiam da fonte de James Bond. E a paródia de 1967 de "Cassino Royale" chegou a mostrar vários James Bonds (incluindo um Bond vilão interpretado por Woody Allen), além de a trama envolver a recuperação da peruca usada pelo falecido M.

Mas talvez a mais conhecida paródia de 007 seja a feita por Mike Myers na série "Austin Powers". Nesses filmes, o agente secreto é trazido de volta à vida após várias décadas congelado criogenicamente (em inglês), o que explica o motivo de ele manter a atitude e moda dos anos 1960. E quanto ao modo como Bond age com as mulheres, Powers o vira do avesso: em vez de frases curtas e suaves, Powers simplesmente agita as sobrancelhas e faz perguntas evidentemente sexuais. O vilão principal, por sua vez, Dr. Evil, tem a mesma aparência e age da mesma maneira que Ernst Stavro Blofeld.

Como você pode ver, James Bond é mais do que apenas um personagem fictício: sua franquia definiu o suspense sobre espionagem e certamente ainda vai influenciar o gênero por muitas décadas. Para mais informações sobre Bond e assuntos relacionados, confira os links na próxima página.