Vinhos brancos

Autor: 
Steve Pitcher

Vinhos brancos tendem a ser mais leves no sabor do que os tintos, e são servidos gelados. Aqui estão alguns varietais tradicionais.

Chardonnay

Mais popular varietal do mundo, o Chardonnay (pronuncia-se chardoné) é considerado o maior vinho branco, embora os amantes do Riesling disputem este lugar. O Chardonnay cresce em todos os países produtores de vinho; assim se torna difícil caracterizá-lo em termos de sabor e aroma. O estilo varia muito, desde refinado, um pouco austero até o bem encorpado, rico e opulento. Tudo depende do lugar onde as uvas são cultivadas e as técnicas vinícolas. Compare, por exemplo, as versões mais maduras da Califórnia e Austrália com a versão da França, o Chablis e os Borgonhas de Cote Beaune, que tendem a ser mais moderados e mais ácidos.

O Chardonnay é considerado o varietal mais popular do mundo.
2006 Publications International Ltd.
O Chardonnay é considerado o
varietal mais popular do mundo

De todos os vinhos brancos, o Chardonnay é o melhor para o processo de envelhecimento no barril de carvalho; sob a interferência do carvalho, os aromas e sabores de defumado e tostado às vezes dominam no sabor frutado do Chardonnay que inclui, dependendo da origem da uva, um sabor de maçã, pêra, pêssego, melão branco, cítrico e frutas tropicais como o abacaxi, mamão, goiaba e banana.

A maioria dos consumidores prefere o Chardonnay, que deixa uma sensação cremosa na boca e sabores estratificados que resultam do envelhecimento no barril e da fermentação malolática, uma técnica que converte o ácido málico azedo em ácido lático, mais macio.

No Brasil se destacam no Chardonnay vinícolas como Miolo, Valduga e Salton.

O Chardonnay francês inclui o Chablis, Mersault, Chassagne-Montrachet, Puligny Montrachet e Corton-Charlemagne. Freqüentemente, o nome da vinícola específica estará identificado no rótulo junto com a designação de qualidade do Cru (o vinhedo). Às vezes estará escrito "1er cru" (vinhedo de primeira linha), ou "grand cru" (grande vinhedo). Excelentes produtores incluem Domaine Leflaive, Joseph Drouhin, Louis Jadot, Louis Latour, Leroy, Morey, Pernot, Antonin Rodet e Laboure-Roi.

Gewurztraminer

Considerado um vinho nobre na Alsácia, o Gewurztraminer (gué-vurstraminê) é um dos mais fáceis de reconhecer e o mais difícil de soletrar e pronunciar. Tem uma fragância fascinante, com um aroma estonteante de lichia, pétala de rosa, damasco, pêra e uma especiaria parecida com cravo-da-índia (gewurz é especiaria, em alemão). Os sabores são semelhantes ao aroma e bastante marcantes; a textura é delicada e aveludada.

O Gewurztraminer é mais freqüente na forma de seco ou suave, embora as versões doces (designadas safras tardias ou licorosas, seleção de uvas nobres) também possam ser encontradas.

O Gewurztraminer é notado por sua pungente fragrância.
2006 Publications International Ltd.
O Gewurztraminer é notado por
 sua pungente fragrância

Os melhores exemplares vêm da Alsácia e são rotulados com o nome da uva e outras vezes com as designações dos vinhedos. Produtores notáveis incluem Ernest Burn, Domaine Bott-Geyl, Josmeyer, Albert Mann, Trimbach e Zind-Humbrecht. A maioria das excelentes versões americanas vem de Anderson Valley em Mendocino, Califórnia. Procure por produtores tais como Edmeades, Handley, Lazy Creek e Navarro.

Muscat (moscatel)

O Muscat (ou Moscatel) é outro vinho que tem muita fragrância (mais até que o Gewurztraminer). Ele possui aroma de uvas e flores doces, embora o vinho seja suave. Os melhores exemplares vêm da Alsácia e são fabricados pelos mesmos produtores do Gewurztraminer.

Pinot Blanc

Um vinho seco parecido com o Chardonnay mas não tão complexo, com aromas e sabores de melão branco e cítrico, geralmente feito com pouco ou nenhum carvalho. Novamente os melhores exemplares vêm da Alsácia e são produzidos pela maioria dos produtores do fino Gewurztraminer. Os Pinot Blancs alemães e franceses também são bons, oferecendo puros sabores frutais e suave especiaria.

Pinot Gris

Um vinho seco cujo sabor varia desde a maçã, pêra e pêssego ao melão, cítrico, banana e frutas tropicais. Às vezes também há um leve sabor de defumado, nozes ou baunilha que lembra o carvalho, que pode ser mais forte se o carvalho for usado no processo de elaboração do vinho. O Pinot Gris (pinô-gri) é conhecido por sua inerente textura opulenta e boa acidez. Há poucos vinhos brancos secos tão suaves quanto o Pinot Gris. O vinho é chamado Pinot Grigio na Itália, onde é feito em um estilo mais simples e com forte acidez.

Pinot Gris é um vinho seco com uma ampla gama de sabores.
2006 Publications International Ltd.
Pinot Gris é um vinho seco com
uma ampla gama de sabores

Um vinho antigo e importante na Alsácia, o fino Pinot Gris também é produzido na Alemanha, onde é rotulado como Grauburgunder, e nos EUA, onde pode ser rotulado como Pinot Gris ou Pinot Grigio.

Riesling

Lamentavelmente desvalorizado nos Estados Unidos, o Riesling (risling) é considerado por muitos "connoisseurs" um dos maiores vinhos brancos do mundo (se não o maior). Ele abrange um aspecto completo de estilos, do extra seco até o mais doce e rico. Ao contrário da maior parte dos vinhos brancos, o Riesling pode ser estocado na adega por muitos anos, desenvolvendo assim uma incrível profundidade e complexidade através do tempo. A evidência da fruta, alta acidez, pureza e baixo teor alcoólico são as marcas registradas do Riesling.

O Riesling é o vinho mais popular na Alemanha e o mais importante; excelentes safras também são produzidas na Alsácia e Áustria, principalmente do tipo seco. Os seus aromas são frutais, mas não de uva, podem ser de maçã e limão até de pêssego e damasco, às vezes com componentes florais (floração de limão), outras vezes com uma margem mineral bastante complexa, especialmente quando envelhecido. Com uvas mais maduras, de colheitas tardias, o Riesling apresenta um aroma de mel em maior ou menor intensidade. Sua acidez forte e natural dá firmeza ao corpo e equilibra o açúcar residual no vinho, fazendo dele um vinho maduro ao invés de doce.

No geral, os Rieslings europeus tendem a ser mais complexos e mais saborosos que os produzidos no Novo Mundo, porque as condições de crescimento no Velho Mundo não são idênticas às condições dos Estados Unidos.
Os melhores produtores do Riesling na Alemanha incluem Fritz Haag, Donnhoff, Gunderloch, von Simmern, Robert Weil, Kunstler, J. J. Prum, von Buhl, Burklin-Wolf e Dr. Loosen. Os altamente recomendados da Alsácia incluem Zind-Humbrecht, Trimbach, Schlumberger, Marc Kreydenweiss, Marcel Deiss, Hugel e Domaine Weinbach. Os austríacos produtores do excelente Riesling incluem Hirtzberger, Prager, Pichler, Jamek, Knoll, Nikolaihof, Brundlmayer e Nigl.


Sauvignon Blanc

Vinho seco de estilo variado, é às vezes chamado Fumê Blanc nos Estados Unidos. Na França, o vinho é rotulado com o nome do seu produtor e a região, por exemplo Pouilly-Fume, embora "Sauvignon" às vezes também apareça nos rótulos dos vinhos do Vale do Loire.

A marca registrada do Sauvignon Blanc (sovinhom blam) está nos toques agradáveis herbáceos que podem ser bastante sutis ou muito pronunciados, dependendo do vinicultor. Esta característica acentua os aromas e sabores num amplo leque que vai desde melão branco, frutas cítricas e passa pelo pêssego branco e a manga. O Sauvignon Blanc pode ser um magro e vigoroso vinho de alta acidez ou de uma fermentação de barril com outro varietal, freqüentemente combinado com o Semillon para um paladar mais rico. Os Bordeaux brancos são exemplares de primeira linha desse último estilo. A Nova Zelândia oferece excelentes Sauvignons do tipo vigoroso com evidentes qualidades herbáceas.

Viognier

Um exótico e fragrante vinho seco que ostenta sedutores aromas e sabores, o Viognier se faz uma experiência intrigante. O perfume principal consiste na combinação em todo ou em parte do seguinte: mel, flores de frutas cítricas, lichia, melão branco bem maduro, pêssegos frescos e damascos e pêras maduras recém descascadas. O seu olfato lhe diz que esse vinho é doce, mas o seu paladar se surpreende com um néctar seco que lhe oferece sabores de pêra madura, o cítrico do limão, amêndoas, especiarias, pêssego, damasco e nuances de mel. Luxuriante e viscoso no paladar, com mais corpo que a maior parte dos Chardonnay - e o retrogosto não é de saturação, é fresco e vibrante, tentando você a tomar outro gole.

O Viognier se originou na região de Rhone, na França. No Novo Mundo o vinho é rotulado pelo produtor e a região. O Chateau Grillet é famoso pelo seu varietal. 

É claro que os vinhos brancos nos contam apenas metade da história. Na próxima seção você descobrirá o elegante e saboroso mundo dos vinhos tintos.