O verdadeiro culto de Cthulhu

H.P. Lovecraft, criador do Cthulhu e de outras coisas que saem por aí à noite.
Foto cedida por Arkham House Publishers

H.P. Lovecraft, criador do Cthulhu
e de outras coisas que saem
por aí à noite

Na ficção de Lovecraft, os vários cultos que veneram o Cthulhu geralmente consistem de grupos de pessoas primitivas ou isoladas que acreditam que o Cthulhu anunciará uma era de caos e violência desenfreada ou que ele exterminará toda a humanidade, mas matará o culto rápida e relativamente sem dor. De qualquer maneira, o retorno de Cthulhu para a maioria das pessoas não é um bom negócio.

Pode parecer estranho, mas, ao longo dos anos, havia alguns pequenos "cultos" que realmente se formavam em torno dos mitos de Cthulhu. Alguns desses cultos combinavam a mitologia de Lovecraft com outras crenças, como o satanismo, enquanto outros parecem aceitar que o Cthulhu e seus irmãos são fictícios, mas contribuem para a filosofia de que esses seres fictícios representam. Também existem vários fãs-clube de Lovecraft que utilizam o termo Culto de Cthulhu para descrever seu grupo, embora estejam mais preocupados em comemorar os trabalhos de ficção do que promover uma visão de mundo específica.

Como as criações literárias, o Cthulhu e sua classe têm menos de um século de idade. Pode parecer estranho algumas pessoas seguirem uma religião com base em uma personagem supostamente imaginária e relativamente jovem. Alguns seguidores do culto dizem que suas crenças são apoiadas pelo "Necronomicon" e outros livros. Infelizmente, para elas, o "Necronomicon" também é uma das invenções de Lovecraft. Alguns autores anônimos escreveram várias edições falsas do "Necronomicon".

Uma delas, geralmente chamada de edição de Simon pelo pseudônimo adotado pelo autor, diz que Cthulhu origina-se da palavra suméria Kutulu, para dar ao Culto de Cthulhu alguma legitimidade histórica. Alguns pesquisadores concordam que o Kutulu não é propriamente uma palavra sumerian, e que "Simon" o criou ou o usou por engano para fazer o Cthulhu parecer uma idéia antiga em vez da invenção de um autor do século 20 .

Além das várias edições falsas do "Necronomicon", os autores criaram outros livros que apóiam a crença de que os mitos de Cthulhu não são apenas um dispositivo literário. Darrick Dishaw, uma personalidade do grupo de fãs de Lovecraft, escreveu sua própria Bíblia do Culto de Cthulhu, misturando elementos dos mitos com o satanismo e outras filosofias. Críticos alegam que Dishaw, na melhor das hipóteses, escreveu um livro incoerente com idéias conflitantes e, na pior das hipóteses, plagiou materiais de outros autores encontrados por aí (a maior parte no Wikipedia). Dishaw reagiu às críticas afirmando que o tal material encontrado por aí era, na verdade, seu próprio trabalho. 
 

Entre aqueles que reconhecem a natureza fictícia dos mitos de Cthulhu, há os que seguem a filosofia por trás da ficção. Sua visão é a de que as criaturas extraterrestres, nas histórias de Lovecraft, são tão cósmicas no espaço, que a humanidade está abaixo de seu conhecimento. As criaturas não são tão malévolas quanto são frias e desinteressadas. Como seres humanos, somos muito pequenos para comparar - esses seres nos veriam nada mais que como pulgas. Para essas pessoas, as criaturas representam as forças cósmicas e naturais que não se cuidam, ainda que possam afetar a humanidade, mesmo ao ponto da destruição. Elas têm a visão de mundo de que os seres humanos são uma parte insignificante do universo, e que, independente do que façamos, há forças além do nosso controle e compreensão que poderiam nos eliminar em um instante.

Na próxima seção, veremos Cthulhu na cultura geek.

­